Enviado por e-mail, às 10:16h, para Gabriela Bandeira.

 

Oi, Gabi. As suas fotos, e esse estímulo todo a entrarmos uns nos trabalhos das outras, me fizeram uma imagem dentro da cabeça. É assim: de uma das janelas mais altas dum prédio desce uma corda teresa até o chão, e então ela sobe num edifício vizinho, até outra janela bem alta. Sobre isso, eu não gostaria de especular como a teresa poderia ter sido construída – se amarrada só com lençóis do primeiro apartamento, se por alguém da outra janela usando seus próprios tecidos. Mas guardo exceção para sonhar um absurdo a respeito disso: lençóis de ambos apartamentos descendo pelas janelas até o rés do chão, na rua, onde se encontrariam num último nó, unindo as moradias de onde, eu espero, ninguém sairia, em adesão ao isolamento social.

É isso.